domingo, setembro 16, 2007

Gueixa



O Oriente está a cinco passos:
moça de olhos puxados,
sentada neste café.
Mangá jamais desenhado,
traço, assim, delineado,
estrela nipo-solar.
E a luz desse sol poente
me invade assim, de repente,
instiga meu mar-luar.
É quando eu sinto a energia
que seu espírito irradia,
força extremada,
sem par!
Golpe certeiro e cortante,
linhagem beligerante:
moça-gueixa-samurai...
Seda espalhada nas costas,
tapete negro, macio,
melenas longas e retas
onde é bom de se aninhar.
Olhar que é mira certeira,
ritualística dama
da Cerimônia do Chá.
Mirante para outras terras,
língua que é puro mistério,
dilema a enfeitiçar...
Da direita para a esquerda,
leitura desconcertante,
perdição do viajante,
ideograma de amar.
Expressão da natureza
sob a forma de princesa,
linda boneca de louça,
com boca cor de carmim.
Efeito de um kamikase,
de espada bem afiada,
bandeira branca e vermelhadualidade sem fim.
Misto de paz e de guerra,
um delicado origami
sentado próximo a mim.
E chego ao fim desses versos,
presente de mais um dia,
fruto doce desse vício
que se chama observar.
Assim registro a magia
e eternizo a poesia
que invadiu esse lugar.

São Paulo,
Centro Cultual Vergueiro
Junho- 2007

3 comentários:

Luciano Castro disse...

Achei lindo, posso usá-lo para “adornar” uma gravura no meu álbum do Orkut?

poesia potiguar disse...

Oi, Luciano!

Obrigada pela visita!

você pode usar, sim! Peço apenas que insira meu nome e o endereço deste blog, ok?

abraço!

SIL MIZEL disse...

OIE linda., posso adornar uma make artística de gueixa no meu blog com sua poesia???

pode ter certeza que vou colocar seu nome e blog - ok!

depois dá uma olhada lá..

mamiskefez.blogspot.com

agradecendo antecipadamente...