quinta-feira, janeiro 25, 2007

Um amante perfeito



Um ano inteiro se passou
sem que eu cedesse,
mas, um dia, aconteceu.
Sucumbi aos encantos do rei.
E me entreguei.
Foi numa manhã de Verão.
Deitei com ele na areia
à beira-mar – sem nenhum pudor.
Ao fundo,
a percussão das ondas,
o sopro do vento,
os agudos extremos
das gaivotas voyers.
Ele penetrou meu ventre,
meu torso, meu rosto, meu plexo...
Meu corpo ardia, sem febre.
Meu suor e meu sal escorriam,
sem dramas.
E eu desagüei ali mesmo,
na espuma das ondas...
Mas ele era insaciável
e seguiu me invadindo,
adentrando meus poros,
me tomando pela frente,
por trás,
em pé,
deitada...
Passeava pelas minhas costas,
aportava sobre minhas curvas.
E ainda aproveitava o enlace
para – grande astro que é –
me pintar em tons de canela
(como Jorge fez à Gabriela).
Ah, aquele calor sobre mim...
Horas se passaram
em que me deixei possuir
sem pressa.
E quando, finalmente,
olhei pra ele confessando cansaço,
calor em excesso e sede
ele me presenteou, cavalheiro,
com suaves pingos de chuva.
Poucos são os amores
que nos lavam o corpo e a alma...
Só me restou sorrir,
encantada.
E ele...
Ele vestiu-se com seus trajes
macios – como algodão de nuvem.
E foi partindo em outras direções,
mas não sem antes
dizer que voltaria no dia seguinte.
Ah... O sol...


Goimar Dantas
Juréia de São Sebastião
18h36
Em 06/01/2007

3 comentários:

Anônimo disse...

Legal esse poema! Até a penúltima linha pensei que vc estivesse descrevendo a experiência de Cicareli... rsrsrsrs

Vc é mui talentosa, Goimar!

gilberto_kardoso@hotmail.com

Prof. Leo Ricino disse...

Gói!
Pra variar, um encanto. Já não bastava Maresia! Agora você me surge com esse estival O AMANTE PERFEITO. É lúbrico, sensual (no sentido de sexo e de pele!), sugestivo, e de causar inveja aos homens, principalmente pelo título que, se não esclarecesse, a princípio, quem é o felizardo que passeia por suas curvas, que “adentra seus poros, e a toma pela frente, por trás, em pé, deitada...”
Seus versos (e você, pelo jeito) conseguem, magistral, apaixonante e sensualmente, erotizar um ato prosaico e transformá-lo em poesia pura e sublimar o ato em si.

Anônimo disse...

Ah…esse sol…quantas de nós não fomos atraídas pelo perfume dos seus raios. Com sua intensidade para amar nos aquece, nos enlouquesse e sempre se estremesse inteiro no momento que chega ao ápice. Com seu brilho e sedutora experiência sabe como envolver-nos e fazer-nos crer que somos unique. Sua vaidade e seu orgulho são potentes. Mantem-se sempre presente. Como bom astro-rei, ele não tem direção e já não tem mais correção dada sua longevidade. Para tê-lo como amante temos que fechar os olhos para seus defeitos. Porque é uma estrela central do sistema solar , pode-se dar o luxo de ser chamado de perfeito.