quinta-feira, junho 18, 2009

Adélia Prado



Na última segunda, dia 15, fui à Biblioteca Municipal de Cubatão assistir a uma palestra com Adélia Prado, minha poeta preferida e uma das escritoras cuja obra analisei na dissertação de mestrado. Como tiete assumida da autora, fiz tudo o que tinha direito: conversei com ela antes de começar o evento, peguei mais um autógrafo (já é o terceiro), dessa vez no meu exemplar de Filandras, tirei fotos e babei oceanos enquanto ela discorria sobre prosas e poesias. Adélia estava, como sempre, inspiradíssima.

Leu poemas de Drummond e, atendendo a pedidos, leu e declamou alguns dos seus poemas, especialmente os da obra Oráculos de Maio. Para minha mais absoluta felicidade, também conheci o famoso Zé, marido de Adélia, e "muso" inspirador do belíssimo poema "Casamento", que reproduzo abaixo:


Há mulheres que dizem:

Meu marido, se quiser pescar, pesque,

mas que limpe os peixes.

Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,

ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.

É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,

de vez em quando os cotovelos se esbarram,

ele fala coisas como "este foi difícil"

"prateou no ar dando rabanadas"

e faz o gesto com a mão.

O silêncio de quando nos vimos a primeira vez

atravessa a cozinha como um rio profundo.

Por fim, os peixes na travessa,

vamos dormir.

Coisas prateadas espocam:

somos noivo e noiva.


Texto extraído do livro "Adélia Prado - Poesia Reunida", Ed. Siciliano - São Paulo, 1991, pág. 252.

Um comentário:

nana disse...

Meu deus, Adélia Prado! Uau! Uau! Uau! Maravilhosa.