sexta-feira, janeiro 08, 2010

Ouro Preto e Mariana



Seu eu tivesse tempo, daria pra escrever um livro sobre os dias em que passei em Ouro Preto e Mariana. São tantos assuntos, histórias, impressões e sentimentos que me recuso a esgotar tudo em poucas linhas. Este post será apenas o primeiro de uma série. Isso porque viajo novamente amanhã e é impossível me alongar agora. Só o Pouso do Chico Rei, onde nos hospedamos, rende um texto inteiro. Mas a despeito da minha correria, deixarei um gostinho do que foi a viagem por aqui, por meio de algumas poucas fotos e uma breve explicação sobre o Pouso.

Essa primeira imagem, por exemplo, traz a sala de café lá do Pouso do Chico Rei. Escolhi essa pousada a dedo porque é onde se hospedavam Vinicius de Moraes, Pablo Neruda e a poeta americana Elizabeth Bishop, dentre outros tantos ícones literários e artísticos, sempre que passavam por Ouro Preto. Todos eram amicíssimos das proprietárias, Lili e Ninita. Mais tarde, Bishop comprou uma casa na cidade, coisa que eu também faria se pudesse.

Todos os quartos recebem os nomes desses e de outros artistas, como o quarto Guignard, em homenagem ao grande pintor brasileiro, cuja obra pude conhecer melhor graças a essa viagem a Ouro Preto. Ficamos em dois quartos: primeiro, no Elizabeth Bishop, cujas instalações e a vista são lindas. Depois, no quarto Pablo Neruda.



Os espaços comuns aos hóspedes, como a sala de café e a de leitura, são lindamente decorados. Os móveis são "todos em madeira de lei", como diz Vinicius no poema dedicado ao lugar (para ler o samba e o poema que o autor de Vinicius compôs em tributo ao Pouso clique aqui). Tive a oportunidade de ter acesso ao antigo livro de hóspedes, que contém cartas e bilhetes do "poetinha" que, de diminuto, ao meu ver, não tem nada. Para mim ele sempre foi grande. Imenso. E o livro é uma verdadeira relíquia: além dos bilhetes e cartas de Vinicius, há textos e desenhos de Maysa, Guignard, Maria Bethânea e outras tantas celebridades brasileiras.

"O Pouso", bem como toda a cidade, recebe turistas do mundo todo. Durante os dias em que estivemos lá, o francês, o inglês e o italiano eram os idiomas mais falados nas ruas. Nunca pensei que o turismo internacional fosse algo tão comum em Ouro Preto. Na verdade, fiquei estupefata ao perceber que a maioria dos hóspedes que dividia o pouso conosco nesta semana eram franceses. Pra mim foi ótimo, uma vez que pude treinar um pouquinho o idioma, que anda bem enfurrajado desde o final do meu curso, há um ano e meio.



Essa é uma das vistas do quarto "Elizabeth Bishop". Aliás, Ouro Preto é farto em igrejas barrocas - uma mais linda que a outra. No domingo de manhã, todos os sinos repicam em uníssono: um espetáculo inesquecível - mesmo para quem gosta de dormir até tarde, como é o meu caso.



Tive medo de que as crianças achassem o passeio cansativo, chato. Afinal, achei que temas que remetem às igrejas, aos museus, à Arte Sacra e à maravilhosa história da Inconfidência Mineira são por demais áridos para pré-adolescentes do século 21. Mas eu estava errada. Amém. Eles amaram o tour, sobretudo o passeio de trem Maria Fumaça, para a cidade de Mariana. Yuri se sentiu o próprio Harry Potter indo para a famosa escola de Bruxaria e Magia Hogwart's. :)



Quanto a mim, fica difícil dizer o que mais gostei. Mas vou tentar elencar algumas coisas: O Museu da Inconfidência, a Casa dos Contos, os restaurantes, a Casa Guignard, a atmosfera literária e histórica que permeia tudo e todos na cidade, o bate-papo com a quase centenária Maria Bárbara de Lima, proprietária da casa em cujos fundos foi descoberta, na década de 40 do século passado, a famosa Mina do Chico Rei, personagem ímpar da história de Ouro Preto. Dona Bárbara, aliás, conheceu Cecília Meireles na época em que a escritora realizava pesquisas para escrever seu belíssimo "Romanceiro da Inconfidência".

O fato é que ainda preciso organizar as mais de mil fotos que tirei de Ouro Preto e Mariana. Em todo o caso, quem desejar matar um pouco da curiosidade pode clicar aqui, onde postei mais algumas.

Nos próximos dias, estarei fora novamente para mais um roteiro turístico com o qual sonho há anos. Até a volta!

2 comentários:

Rosângela disse...

Querida Goimar,
Foi muito bom voltar de viagem, há uma semana, e ver suas belíssimas fotos. Você leva jeito mesmo, amiga!
Eu já tinha vontade de conhecer essas cidades histórias das Minas Gerais, depois de ver suas fotos e ler seu texto fiquei com uma vontade maior ainda!
Tudo de bom pra vocês na bela viagem que estão fazendo.
Superbeijo da Rô

Anônimo disse...

Gói!

Você está uma fotógrafa de mancheia (só pra te encher esse mancheia tá!). E olha que, mesmo com fotos tão belas, tanto de Olinda e Recife quanto essas das Cidades Históricas), você conseguiu colocar textos belíssimos e sensíveis. É a junção da arte com a artista da palavra e da luz.
Você evolui sempre, sempre e sempre me surpreende.
Parabéns. Adorei os textos, adorei as fotos.
Prof. Leo Ricino