terça-feira, setembro 22, 2009

Explicação da Primavera


Fiz essa foto no sábado, na Praça Buenos Aires, e achei perfeita para ilustrar o poema.

Gosto da Primavera porque nela a gente não acorda, desabrocha.
Nela a gente não cresce, floresce.
Tampouco ninguém morre, transcende.

Na Primavera a gente não se banha, se orvalha.
A gente não se deita, deleita.
A gente não se cala, se espalha.

Na Primavera a gente não produz, frutifica.
A gente não seca, amadurece.
A gente não permanece, enraíza.

Na Primavera a gente vive de brisa.
Sente à flor da pele.
E inala, apenas, essências.

A Primavera não é uma estação.
Não há trem nem despedida.
É ponto de encontro, chegada.
Espécie de porto, de estrada...
Onde o único veículo que trafega é o coração.


Goimar Dantas
São Paulo
22/09/09

Um comentário:

não sou malandro apenas diferente disse...

lindo poema!!!

bj,
Ramacioti