quarta-feira, abril 16, 2008

Oração simbolista



Vinde a mim a chama abrasadora
Traz a fúria rompante da dor
Incendeia o corpo molhado
Dilacera a falta de amor

Lança a seta lilás do pecado
Mira certa em minha direção
Acelera o músculo cansado
E desperta o velho coração

Pois eu quero sentir a vertigem
Busco a dúvida e não a razão
Brindo a glória constante do instinto
Recuso o medo da decepção

Dos extremismos quero a intensidade
Em cada olhar, uma constelação
Vislumbro o dia de morrer nos braços
De quem me dê uma noite de Paixão.


Goimar Dantas
São Paulo
2003/2004?

3 comentários:

Anônimo disse...

Serei o primeiro a comentar! Que fantástica singeleza na intensidade da súplica. E agora você deu para rimar, mas uma rima espontânea, sem a preocupação da rima propriamente dita.
Seu campo léxico impressiona. A relação com o campo semântico é de uma simbiose plena.
Você é a poetisa do momento.
Prof. Leo ricino

poesia potiguar disse...

obrigada, querido!!

você é e será eternamente uma fonte inesgotável de amizade, aprendizado, cumplicidade...

Uma das grandes frustrações da minha vida é não ter tido a honra de ser sua aluna de verdade, assim, com nota no final do mês, boletim, relatório...

Afinal, aos 15, 20 anos, a cabeça da gente está mais aberta, menos cheia de problemas. Por isso, tende a absorver as informações com muito mais rapidez...

Posso passar a vida agradecendo sua paciência com as minhas dúvidas, mas sinto que nunca será suficiente...

Obrigada sempre.

Um beijão!

César Quadros disse...

Primoroso!!!!