quarta-feira, março 26, 2008

A fonte


O som da chuva é um mantra.
Cítara de bonança.
Harpa a nos encantar.

Lava a alma, traz lembranças.
Acalenta a esperança.
É convite para amar.

O som da chuva é a lança,
minha arma,
meu combate,
minha força,
minha fé.

Arauto de liberdade.
Sinal de felicidade.
Água a purificar.

E a chuva é anjo.
É meu ninho.
Um céu chorando e sorrindo.
Canção de ninar pro mar.

A chuva é benção na terra.
Ritual de comunhão.
É a mais linda oração
que eu posso aqui escutar.

A chuva é grata surpresa.
Certeza do pão à mesa.
Sementes a germinar.

Se chove, exalo um perfume
e meus olhos de vaga-lume
emanam luz sem cessar.

Se chove, eu sou alegria.
Viro fonte de poesia.
Jorro versos pelo olhar.

Por isso, rezo e agradeço
a inspiração...
Amanheço!
Estou pronta pra poetar.

Goimar Dantas
São Paulo
13-03-08

2 comentários:

César Quadros disse...

Música!!!
Isso é música para todos os sentidos, o som da chuva, teus versos, o cheiro da chuva e os sabores, as imagens... é o poema que inspira e a natureza que exala poesia.

Parabéns!

poesia potiguar disse...

César, querido!

Você é que merece parabéns sempre, pela sensibilidade e capacidade de encontrar música onde quer que ela esteja.

Um beijão pra você e muito, muito obrigada!