sexta-feira, março 28, 2008

A lua e o mar (versão 1)




Me chamo lua
Enfeito o céu
Mas só desejo
O senhor do Mar

E ele teima
Em amar a Terra
Jamais tentou
Vir me buscar

Se pelo menos
Ele notasse
Toda a beleza
Do meu querer

Acho que iria
Fazer alarde
Em maremoto
Se converter

Seria lindo
Se a gravidade
Me libertasse
Desse torpor

E me lançasse
(em queda livre)
Bem lá no meio
Do meu mar de amor

Como as mulheres
Mediterrâneas
(que amam seus homens
e suas naus)

Eu me entregaria
Feliz da vida
Me embriagava
De água e sal

Esquentaria
com meu desejo
o Índico gélido
do Oceano

Que ferveria
E derreteria
Essas geleiras
De desenganos

Que sonho é esse?
Onde eu estou?
Lá vem o dia!
Já vai raiar!

Fico mais triste
Pois só de noite
É que reflito
Por sobre o mar

Então renasce
Minha esperança
De ver Netuno
Vir me levar

Pras profundezas
Do seu mistério
(Um lar perfeito
para o luar).

Goimar Dantas
São Paulo
28-03-08

3 comentários:

César Quadros disse...

Como é típico dos arianos, primeiro faço e depois pergunto se posso eh eh eh

Posso reproduzir este poema em meu blog?

bom já fiz eh eh eh

qualquer coisa não apago !!!

mui lindo!

Abração!!!

poesia potiguar disse...

Caríssimo César,

Se você soubesse como eu fico feliz em ter um texto meu lá no seu "perfume dos livros"!!!!

Adorei!!!!

Beijão!

Kate Sales disse...

Olá!
Adorei sua poesia, estava procurando um texto similar para complementar um conto meu... gostaria de saber se posso utilizar alguns trechos (dando os devdos créditos ao seu blog, claro ^^)
Agradeço desde já!